Acesse o menu principal
Blog do Google Brasil
Busca

Novas maneiras para ajudar você a encontrar informação de qualidade na Busca

Article's hero media

Todos os dias, as pessoas recorrem ao Google à procura de informações para os momentos mais importantes. Às vezes isso significa procurar a melhor receita para o jantar, mas também pode ser para confirmar uma notícia que a pessoa ouviu de um amigo.

Não importa o que cada um está buscando: nosso objetivo é conectar usuários a informações de qualidade, ajudando a entender e avaliar essas informações. Tanto na Busca quanto no Google Notícias, investimos pesado em qualidade e alfabetização informacional. E hoje vamos anunciar algumas novidades sobre esse importante trabalho.

Novas melhorias na qualidade dos resultados em destaque

Nossos sistemas de classificação são projetados para dar mais destaque a informações relevantes, vindas de fontes confiáveis que demonstrem conhecimento sobre o assunto, seriedade e integridade. Esses sistemas são ensinados a identificar e priorizar sinais de confiabilidade, e estão sempre sendo aprimorados. Fazemos milhares de melhorias a cada ano para que as pessoas tenham acesso rápido a informação de qualidade.

A novidade de hoje é uma dessas melhorias, e representa um avanço considerável no aumento da qualidade dos trechos em destaque. Trechos em destaque são aquelas caixinhas de descrição no alto da página, que chamam atenção para uma parte da informação num determinado resultado da Busca, como resposta à pesquisa do usuário. Eles ajudam tanto quem faz buscas no Google quanto os sites de conteúdo na web, que se beneficiam com o tráfego gerado pelo recurso.

Usando nosso modelo de inteligência artificial (IA) chamado Modelo Unificado Multitarefa (ou MUM), os sistemas agora já conseguem entender a ideia de “consenso” – ou seja, várias fontes online de alta qualidade concordam com determinada informação. Nossos sistemas são capazes de verificar as palavras que aparecem em negrito, destacadas nos trechos, e compará-las a outras fontes confiáveis na internet. Isso permite saber se há consenso em relação àquelas palavras, mesmo quando diferentes fontes usam diferentes termos ou conceitos para descrever a mesma ideia.

Uma captura de tela mostra uma consulta sobre "quanto tempo leva para a luz do sol atingir a Terra", com um trecho em destaque destacando um artigo útil sobre a pergunta e uma frase de destaque em negrito dizendo "8 e ⅓ minutos"

Com uma técnica baseada em consenso, estamos melhorando os trechos em destaque. No exemplo, a resposta "8 e 1/3 minutos" para a pesquisa "quanto tempo leva para a luz do Sol chegar na Terra"

Os modelos de inteligência artificial (IA) também ajudam os sistemas a entender quando um trecho em destaque pode não ser a forma mais útil de apresentar a informação. Isso é especialmente útil para o caso de perguntas sem respostas. Por exemplo, uma recente pesquisa para “quando snoopy assassinou Abraham Lincoln” fornecia um trecho em destaque com a data e informações sobre o assassinato de Lincoln. Porém, essa claramente não é a forma mais útil de mostrar esse resultado.

Treinamos nossos sistemas para que eles identifiquem cada vez melhor esse tipo de premissa falsa, o que não é muito comum, mas há casos em que não é útil mostrar trechos em destaque. Reduzimos o acionamento de trechos em destaque nestes casos em 40% com a atualização.

Alfabetização informacional

Além de projetar nossos sistemas para mostrar informação de qualidade ao usuário, também inserimos recursos de alfabetização informacional na Busca, ajudando as pessoas a avaliar as informações – não importa se o resultado foi encontrado nas redes sociais ou em conversas com parentes e amigos. Com efeito, um estudo publicado este ano mostrou que as pessoas costumam usar o Google como ferramenta para validar informações encontradas em outras plataformas. Investimos na criação de uma série de recursos, incluindo Fact Check Explorer, pesquisa por imagem e Sobre este resultado. Hoje estamos anunciando várias atualizações para que esses recursos se tornem ainda mais úteis.

Sobre este resultado: disponível em mais situações

O recurso Sobre este resultado traz mais contexto sobre qualquer resultado da Busca, antes mesmo que a pessoa visite um site. Basta clicar nos três pontinhos ao lado do resultado. Desde que foi lançada, no ano passado, as pessoas já usaram essa ferramenta mais de 2,4 bilhões de vezes. Agora o Sobre este resultado estará disponível em mais lugares e para mais pessoas, em oito idiomas adicionais, incluindo português, francês, italiano, alemão, holandês, espanhol, japonês e indonésio, que serão lançados até o final do ano.

Nesta semana, estamos adicionando mais contexto ao Sobre este resultado. Por exemplo, mostrando avaliações online sobre uma fonte ou empresa, se uma empresa é de propriedade de outra entidade ou mesmo quando nossos sistemas não conseguem encontrar muitas informações sobre uma fonte – todas as informações que podem fornecer um contexto importante.

Estamos também lançando hoje Sobre esta página no aplicativo do Google. Com isso, será possível obter contexto útil sobre os sites, quando a gente navega pela internet. Basta rolar o dedo para cima a partir da barra de navegação, em qualquer página, e obter mais informações sobre aquela fonte. Com isso, podemos navegar com ainda mais confiança, não importa onde a gente esteja no mundo online.

A gif shows the About this page feature, where someone swipes up on the navigation bar in the Google app while browsing the website for the Rainforest Alliance, and sees a panel with information about the source from across the web.

Com o Sobre esta página no app do Google, você consegue acessar conteúdo útil de contexto sobre sites enquanto navega

Mais avisos sobre conteúdo quando há lacunas de informação

Com frequência, o interesse das pessoas por uma notícia de última hora avança mais rápido que os próprios fatos. Em outras ocasiões, leva algum tempo até que haja informações confiáveis disponíveis sobre determinado assunto. Especialistas em letramento costumam chamar essas situações de “vácuos de informação”. Para enfrentá-las, mostramos avisos sobre conteúdo quando um tema está avançando rapidamente, e sugerimos repetir a pesquisa novamente mais tarde, quando mais fontes estiverem disponíveis.

Aviso na Busca diz "Parece que os resultados estão mudando com rapidez. Se o assunto é novo, pode demorar para que fontes confiáveis publiquem informações"

Avisos de conteúdo em português

Agora, os avisos sobre conteúdo serão oferecidos também no caso de buscas em que nossos sistemas ainda não estejam confiantes na qualidade geral dos resultados disponíveis para aquela pesquisa. Isso não significa que não haja informações úteis disponíveis. Esses avisos oferecem mais contexto sobre todo o conjunto de resultados na página, e sempre será possível ver os resultados para a busca que a pessoa fez, mesmo quando o alerta aparece.

Um gif mostra um aviso de conteúdo que diz “Parece que não há muitos resultados excelentes para esta pesquisa”, juntamente com dicas como verificar a fonte e experimentar novos termos de pesquisa.

“Parece que não há muitos resultados muito bons para esta pesquisa”. Novos avisos para resultados de pesquisas em situações em que nossos sistemas não confiam muito na qualidade geral dos resultados. Novidade está disponível em inglês e deve ser expandida em breve para outros idiomas

Educação sobre desinformação

Além de nossos produtos, estamos investindo também em programas e parcerias de educação sobre desinformação. Desde 2018, a Google News Initiative (GNI) já investiu quase US$ 75 milhões em projetos e parcerias, num trabalho para reforçar a educação midiática e combater a desinformação em todo o mundo. Hoje, estamos anunciando uma parceria com a MediaWise, do Poynter Institute for Media Studies, e com a PBS NewsHour Student Reporting Labs para desenvolver um currículo sobre alfabetização informacional voltado a professores.

Hoje, anunciamos também hoje os resultados de uma pesquisa realizada pelo Poynter Institute e YouGov, com o apoio do Google, sobre as maneiras pelas quais as pessoas de todas as gerações verificam as informações – veja aqui. Conversamos com Alex Mahadevan, diretor do MediaWise na Poynter Institute, sobre a pesquisa. Confira:

Por que essa pesquisa foi realizada?

A desinformação não é um problema novo, mas está se tornando cada vez mais difícil separar o fato da ficção, especialmente na internet. Queríamos saber mais sobre como as pessoas em todas as gerações verificam as informações e decidem em que confiar e compartilhar online. E sabíamos que essa pesquisa nos ajudaria a expandir os recursos educacionais que o MediaWise tem a oferecer.

Imagem com dados da pesquisa que diz que 62% dos respondentes acreditam ver informações falsas ou deturpadas toda semana

Quais foram os parâmetros para a pesquisa?

Entrevistamos mais de 8.500 pessoas de várias idades nos Estados Unidos, Brasil, Reino Unido, Alemanha, Nigéria, Índia e Japão. Fizemos uma ampla gama de perguntas destinadas a avaliar as habilidades de alfabetização informacional e os hábitos de verificação. Isso inclui consultas sobre tudo, desde as ferramentas e técnicas que alguém usa para investigar uma postagem que vê online, até os motivos pelos quais eles podem ter compartilhado informações enganosas no passado.

Quais são alguns dos maiores aprendizados?

A pesquisa descobriu que 62% dos entrevistados acham que veem informações falsas ou enganosas pelo menos uma vez por semana – esse é um número impressionante. E as pessoas estão cientes de que é um problema sério. Aproximadamente 50% de todos os entrevistados da Geração X, Millennial e Geração Z (essas são pessoas com idades entre 18 e 57 anos) disseram estar preocupados com a exposição de sua família a isso.

Gen Z e Millenials são 2x mais propensos que os boomers e que a geração silenciosa em dizer que compartilham acidentalmente informações falsas ou deturpadas porque sentem-se pressionados a compartilhá-las rapidamente

O que a pesquisa lhe disse sobre como as pessoas cruzam as informações que encontram online?

Os Gen Zs são duas vezes mais propensos do que a Geração Silenciosa (pessoas com 68 anos ou mais) de usar um mecanismo de busca para verificar informações e também duas vezes mais propensos do que os Baby Boomers a verificar comentários de rede social para verificar algo que viram online. Eles também são mais propensos a usar técnicas de pesquisa avançada, como pesquisa reversa de imagens, ou fazer leitura lateral – quando você abre várias guias e realiza várias pesquisas ao mesmo tempo – uma técnica eficaz estudada pelo Stanford History Education Group. Também aprendemos que, ao decidir se algo que ouviram ou leram é verdade, os entrevistados de todas as gerações concordam que o mais importante é se as conclusões são apoiadas por fontes ou fatos. Isso era importante para nós vermos: os fatos importam.