Acesse o menu principal
Blog do Google Brasil
Diversidade, Equidade e Inclusão

Dia da Consciência Negra: celebrando nossa ancestralidade

Article's hero media

​​Quando estabelecemos nossas metas de equidade racial em junho de 2020, sabíamos que estávamos assumindo um compromisso com uma jornada que passa por vários caminhos, indo de tornar a nossa força de trabalho mais representativa a apoiar diferentes programas de combate ao racismo estrutural. Essa jornada também passa por celebrar as origens de comunidades sub-representadas e sua contribuição fundamental na formação de nossa sociedade. 

Por isso, em homenagem ao Dia da Consciência Negra, entre outras iniciativas, desenvolvemos uma campanha para resgatar histórias da ancestralidade negra que dizem muito sobre nossa tecnologia, cultura e estética atuais:

Quanto mais a gente busca, mais a gente se encontra
#OrgulhoAncestral foi o tema escolhido este ano para a campanha nas redes sociais do Google Brasil, criada em conjunto com os AfroGooglers - comitê de diversidade racial da companhia. A iniciativa conta histórias africanas pouco difundidas, mas fundamentais para a tecnologia e conhecimento atuais. A assinatura da campanha reforça a importância da nossa conexão com a África, já que o Brasil é o país que mais busca por História Africana fora do continente africano, segundo dados do Google News Lab. Nos últimos cinco anos, as buscas por ancestralidade africana quase quintuplicaram e também houve um aumento de 300% em buscas com os termos "Ancestralidade" e "Negra" nos últimos 5 anos.

E para ajudar a contar essas histórias, o Google Assistente também está participando da campanha. Basta perguntar "Ok Google, me conte uma história sobre ancestralidade negra", que você poderá conhecer a história de Tombuctu, a cidade que sediou a maior biblioteca do mundo, ou sobre o Egito negro e todo o seu legado na construção de conhecimento tecnológico, ou ainda, toda a matemática por trás das tranças e padrões nos tecidos que trouxeram aplicações inovadoras.

O vídeo principal da campanha, chamado Visita Guiada, conta a história de Francisco, um menino que visita um museu em uma excursão da escola e em determinado momento percebe que sua história não está representada ali. Em seguida é guiado por uma museóloga em uma jornada pela sua ancestralidade.

Em Visita Guiada, Francisco faz uma jornada pela sua ancestralidade
Novas coleções no hub Consciências Negras do Google Arts & Culture

Ano passado, lançamos uma seção especial no Google Arts & Culture dedicada à arte e cultura afro-brasileira (g.co/conscienciasnegras), destacando histórias e coleções de museus e instituições culturais pelo Brasil que preservam a história, as obras e objetos que retratam a identidade negra no país. Neste ano, o conteúdo foi ampliado com exposições inéditas de seis instituições culturais, entre elas: Pinacoteca de São Paulo, Museu Histórico Nacional, Museu Nacional de Belas Artes, Acervo Cultne e Museu de Arte da Bahia.

Em parceria com a Pinacoteca, foram digitalizadas mais de 100 obras de artistas negros da coleção do museu. Também foi incluído à exposição Enciclopédia Negra um conjunto de peças de artistas convidados pela instituição para retratar personalidades negras pouco conhecidas da história brasileira, incluindo Dona Afra, de Monica Ventura; Preto Félix, de Jaime Lauriano; Daniel de Viana, de Dalton Paula; e Rita Cebola, de Mulambö. 

Bastidores do processo de digitalização do acervo da Pinacoteca de São Paulo


Cresça com o Google para Mulheres Pretas
Em março deste ano, começamos a jornada Cresça com o Google para Mulheres, uma série de treinamento para mulheres de diferentes perfis desenvolverem habilidades profissionais e pessoais, seja ingressando no mercado de tecnologia ou empreendendo. Na quinta e última edição do ano, convidamos um time de especialistas do mercado e da academia para uma série de diálogos sobre liderança, criatividade e autoestima para mulheres pretas com foco no desenvolvimento de suas carreiras profissionais. A introdução do curso é realizada pela Bibiana Leite, diretora de Parcerias de Conteúdo no YouTube para América Latina e Canadá, e a programação tem a contribuição de especialistas da Rede Mulher Empreendedora. Os treinamentos são gratuitos e o conteúdo pode ser acessado sob demanda pelo site. 

YouTube Black 2021 e Creators Spotlight
No dia 20 de novembro, o YouTube vai realizar mais uma transmissão ao vivo do YouTube Black, desta vez celebrando as referências culturais negras no Brasil junto com a comunidade de criadores. Para isso, além dos shows musicais, haverá a participação de criadores negros e momentos de debate sobre temas como visibilidade e a descoberta da identidade. A live de 3 horas de duração acontecerá no canal do YouTube Brasil com transmissão simultânea nos canais dos apresentadores Ana Paula Xongani e Tássio Santos (Herdeira da Beleza). Thelminha e Johnny Klein (UTK) completam o time de anfitriões. O evento faz parte do projeto Play de Verdade, iniciado em junho com a transmissão da Parada do Orgulho LGBTQIA+, com a proposta de ampliar as discussões sobre questões de gênero, justiça racial, igualdade e inclusão. Em seguida, dia 22, é a estreia do Creators Spotlight, série original do YouTube, com seis minidocumentários de criadores negros apoiados este ano pelo Fundo Vozes Negras do YouTube, uma iniciativa para valorizar e ampliar vozes negras na plataforma, com episodios que apresentam toda sua força criativa. 

Apoio à memória e à justiça racial
No ano passado, o Google.org, nossa frente filantrópica, anunciou um fundo de apoio de R$ 2,5 milhões para instituições sem fins lucrativos que trabalham na promoção da justiça racial no Brasil. Parte do recurso foi destinado ao Fundo Baobá para Equidade Racial, o primeiro do tipo no país, para o lançamento do edital Vidas Negras: Dignidade e Justiça, selecionando 12 projetos voltados ao combate à injustiça racial no Brasil

Também com apoio do Google.org, o Núcleo de Pesquisa em Justiça Racial e Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV), coordenado pelos professores Thiago Amparo e Marta Machado, deu início a um extenso trabalho de coleta de informações e pesquisa sobre casos de violência e justiça racial no Brasil.

Hoje, anunciamos nosso apoio ao Geledés — Instituto da Mulher Negra de R$ 1,3 milhão por meio da Google.org para a digitalização e construção da biblioteca virtual da entidade fundada pela filósofa e ativista Sueli Carneiro. O acervo digital fará parte do Centro de Documentação e Memória Institucional de Geledés, plataforma de acesso público a documentos e materiais audiovisuais sobre momentos decisivos da história nacional na perspectiva de mulheres negras.

Sabemos que ainda há muito a ser feito e seguimos firmes em nossa jornada como empresa e como indivíduos para construir produtos úteis e representativos para todos.