Acesse o menu principal
Blog do Google Brasil
Diversidade, Equidade e Inclusão

Nosso compromisso com a igualdade racial




Nota do editor: o CEO Sundar Pichai enviou hoje o seguinte comunicado à empresa:


Olá, pessoal.

Ao longo das últimas semanas, ataques violentos e racistas contra a comunidade Negra obrigaram o mundo a encarar de frente o racismo estrutural e sistêmico enfrentado há gerações pela população Negra. Na minha busca por respostas, comecei observando a situação dentro da nossa empresa. As conversas que tive com integrantes do Grupo de Consultoria sobre Liderança Negra e com os Googlers Black+ serviram para reforçar, na minha cabeça, a realidade em que vivem essas comunidades – uma realidade na qual o racismo estrutural está presente em todos os aspectos: interações com a polícia, acesso à moradia e recursos financeiros, a serviços de saúde, educação e a oportunidades de emprego.

O Google e as pessoas que fazem parte dele, em seu trabalho para criar produtos úteis para todos, têm o compromisso de transformar a energia que vemos neste momento em mudanças duradouras e significativas. Hoje estamos anunciando um conjunto de medidas concretas para promover o avanço dessas mudanças: dentro da companhia, queremos construir uma igualdade sustentável para a comunidade Black+ do Google; fora dela, queremos tornar nossos produtos e programas ainda mais úteis nos momentos decisivos para os usuários Negros.

A construção de uma igualdade sustentável

A criação de mudanças importantes começa dentro da empresa. Reforçar nosso compromisso com a igualdade e a inclusão racial vai ajudar o Google a oferecer mais produtos úteis para usuários de todo o mundo. Pensando nisso, estamos anunciando compromissos para construir uma igualdade sustentável na comunidade Black+ dentro da companhia.

Em primeiro lugar, vamos trabalhar para aumentar em 30% até 2025 a representatividade de profissionais Black+ em cargos de chefia, e elevar também a participação de grupos sub-representados nas posições de liderança. Para fazer isso, vamos publicar interna e externamente esses cargos, e aumentar o investimento em regiões como Atlanta, Washington DC, Chicago e Londres – onde já temos escritórios. A abordagem será a mesma em todas as regiões, e teremos planos específicos para cada local e cada país, de modo a recrutar e contratar mais Googlers de populações sub-representadas, em comunidades onde a infraestrutura social apoia uma sensação de fazer parte e contribui para melhorar a qualidade de vida.

Em segundo lugar, vamos trabalhar mais para enfrentar desafios de representatividade e investir na contratação, retenção e promoção, em todos os níveis. Para ajudar a conduzir esse trabalho, estou criando um novo ponto de contato nas áreas de cada produto e departamento, cuja tarefa será orientar e defender o avanço e a retenção de Googlers vindos de grupos sub-representados. Estou organizando ainda uma força-tarefa que inclui integrantes sênior da comunidade Black+ do Google. O objetivo é desenvolver recomendações e propostas concretas de responsabilidade em todas as áreas que impactam a experiência dos Googlers Black+ – do recrutamento à contratação, do desempenho à gestão, do avanço na carreira à retenção. Pedi que a força-tarefa apresente propostas específicas (incluindo metas mensuráveis) num prazo de 90 dias.

Em terceiro lugar, estamos trabalhando para criar uma sensação mais forte de inclusão para Googlers em geral e, sobretudo, para a comunidade Black+. Pesquisas internas mostram que a sensação de inclusão e de pertencer ao grupo é resultado de diversos aspectos relacionados à experiência no ambiente de trabalho. Eles incluem a segurança psicológica que sentimos com a nossa equipe, o apoio oferecido por gestores e líderes, processos igualitários de RH, oportunidades de crescer e desenvolver a carreira. Temos o compromisso de criar práticas e políticas mais inclusivas em todas essas dimensões – e reavaliá-las caso não funcionem.

Um exemplo: tínhamos uma política de segurança na qual os Googlers ficavam de olho em “penetras”, com o objetivo de reduzir situações em que pessoas sem autorização entram em nosso escritório. No entanto, percebemos que esse processo era suscetível a alguns tipos de viés. Por isso, ao longo do ano passado, a equipe de Segurança e Resiliência Global trabalhou em parceria com um grupo de trabalho composto por pessoas de vários departamentos, realizando pesquisas aprofundadas, conhecendo as experiências de Googlers Negros, desenvolvendo e testando novos procedimentos de segurança. O objetivo era garantir a proteção da comunidade de Googlers sem implantar uma vigilância daquele tipo. Neste momento em que nos preparamos para retomar o trabalho no escritório, não teremos mais essa prática na qual os próprios Googlers verificam os crachás uns dos outros. Vamos usar apenas a nossa infraestrutura de segurança, que já é extremamente sólida e eficiente.

Em quarto lugar, vamos criar uma série de programas educativos anti-racismo, com escopo global e capacidade de atingir todos os Googlers. Vamos receber especialistas externos aqui no Google, para que eles compartilhem seus conhecimentos sobre história racial e desigualdades estruturais. Vamos promover debates sobre educação, alianças, parcerias e auto-reflexão. Esta semana, demos início a um novo treinamento para Googlers de todos os níveis, que terá várias edições e pretende discutir o racismo sistêmico e a consciência racial. Com isso, queremos aumentar a conscientização e a capacidade de criar espaços onde todos se sintam bem-vindos. Esse treinamento deverá ser lançado em escala global no início do ano que vem. Além disso, os treinamentos obrigatórios para cargos de gestão vão passar a incluir diversidade, igualdade e inclusão.

Em quinto lugar, estamos trabalhando para oferecer mais apoio à saúde e ao bem-estar mental e físico da comunidade Black+ na empresa. Um exemplo: ao longo do ano passado, trabalhamos com o fornecedor de serviços de saúde mental nos Estados Unidos para aumentar de 6,6% para 9,8% a rede de profissionais de aconselhamento psicológico Negros. Nossos fornecedores globais de serviço de Assistência a Funcionários (EAP, na sigla em inglês) também estão trabalhando para ampliar a diversidade na sua rede de profissionais de aconselhamento psicológico. Nos próximos três meses, nossa equipe de Benefícios vai trabalhar com o Escritório de Gestão de Projetos de Igualdade e com o Grupo de Consultoria sobre Liderança Negra para identificar áreas de expansão de benefícios e oferecer apoio adicional a Googlers e suas famílias. Para ilustrar o tipo de programa no qual estamos trabalhando, ampliamos para a família estendida dos Googlers o serviço que permite ouvir uma segunda opinião médica. Isso foi resultado de conversas com a comunidade Black+, que nos contou sobre a importância de apoiar estruturas familiares com irmãos, pais, avós e os parentes do cônjuge.

A criação de produtos que ajudam a causar mudanças

Falando agora de novidades voltadas para o ambiente externo, nosso objetivo é criar produtos e programas que ajudem usuários Negros nos momentos mais importantes para eles. Há duas semanas, soltei um comunicado pedindo ideias nesse sentido – e Googlers de todo o mundo enviaram mais de 500 sugestões. Organizamos uma força-tarefa de produtos que vai estabelecer prioridades e implantar essas ideias, em parceria com o Grupo de Consultoria sobre Liderança Negra e com integrantes da Rede de Googlers Negros.

Algumas iniciativas já foram lançadas – entre elas as respostas do Assistente do Google sobre perguntas relacionadas ao movimento Black Lives Matter e, a partir desta semana, ao Juneteenth (data histórica do movimento abolicionista americano). Estamos agindo de forma rápida para permitir que comerciantes dos Estados Unidos tenham a opção de acrescentar o termo “Black-owned” (indicando que a loja pertence a um Negro) a seu Perfil Comercial no Google. Dessa forma, os usuários poderão encontrar e apoiar pequenos lojistas locais Negros usando a Busca e o Maps. Esse recurso, de adoção opcional, está sendo desenvolvido neste momento e será lançado nos Perfis Comerciais ao longo das próximas semanas.

Criar produtos que atendam a todos é um dos princípios mais importantes do Google. Por isso nossas equipes vão continuar trabalhando para garantir que todos os usuários – e sobretudo usuários Negros – se vejam refletidos no que fazemos. Além disso, dando prosseguimento ao comunicado divulgado na semana passada sobre o YouTube, a equipe de Confiança e Segurança vai seguir trabalhando para reforçar as políticas contra ódio e agressões.

Apoio à criação de oportunidades econômicas

Para além dos produtos Google em si, temos a consciência de que a igualdade racial está umbilicalmente ligada às oportunidades econômicas. Por isso, estamos anunciando hoje um pacote de apoio a lojistas Negros, fundadores de startups, pessoas em busca de emprego e desenvolvimento, no valor de mais de US$ 175 milhões. Esse pacote se soma ao fundo de US$ 100 milhões do YouTube para dar destaque a criadores e artistas Negros. O novo compromisso contempla:


Mentoria e orientação também são essenciais para aumentar a rede de contatos e assegurar empresas bem-sucedidas. Estamos lançando hoje o Acelerador Google for Startups para Fundadores Negros – um programa de aceleração digital com três meses de duração, voltado para capital semente de série A para startups de alto potencial. Anunciamos também uma expansão do programa Digital Coaches para mais oito cidades – entre elas Memphis, Birmingham e Cleveland –, com o objetivo de oferecer mentoria, networking e treinamento para impulsionar o crescimento de 50 mil empresas que pertencem a Negros nos Estados Unidos.

  • US$ 50 milhões em financiamento e bolsas para pequenas empresas voltadas à comunidade Negra, em parceria com a Opportunity Finance Network (rede de oportunidades financeiras). Esse compromisso chega para complementar o recém-anunciado Fundo Grow with Google para Pequenas Empresas, de US$ 125 milhões. O Grow with Google tem o objetivo de ajudar minorias sub-atendidas e pequenos negócios tocados por mulheres nos Estados Unidos.
  • US$ 100 milhões em participação acionária em empresas de capital, startups e organizações comandadas por Negros e/ou que apoiem empreendedores Negros – incluindo mais investimento na Plexo Capital e em financiamento do tipo “non-dilutive” (que mantém o controle da empresa nas mãos dos fundadores) para iniciativas comandadas por Negros na rede Google for Startups.
  • US$ 15 milhões em treinamento para ajudar Negros em busca de emprego a aprimorar suas qualificações, oferecido em parceria com organizações como a National Urban League.
  • Mais de US$ 10 milhões para apoiar o acesso da comunidade Negra à educação, equipamentos e oportunidades econômicas dentro do nosso sistema de desenvolvedores, e aumentar a igualdade, a representatividade e a inclusão em nossas plataformas de desenvolvimento – incluindo Android, Chrome, Flutter, Firebase, Google Play e outras.

O trabalho para melhorar a educação

Vamos dedicar quase US$ 3 milhões para ajudar a reduzir o abismo de igualdade racial na área de ensino de ciência da computação e aumentar a representatividade Black+ nas áreas de ciências, tecnologia, engenharia e matemática – conhecidas em inglês pela sigla “STEM”. Essa iniciativa tem como ponto de partida o trabalho para que alunos Negros tenham acesso a oportunidades de educação já no início de sua vida escolar. Para isso, vamos ampliar o currículo CS First (voltado para ciência da computação) para 7 mil professores que atendem mais de 100 mil alunos Negros. Com isso, aumentaremos o programa de Habilidades Digitais Aplicadas de modo a alcançar 400 mil alunos Negros dos ensinos Fundamental e Médio – e fazer uma doação de US$ 1 milhão do Google.org para a campanha DonorsChoose #ISeeMe – que ajuda professores a ter acesso a materiais que tornam a sala de aula mais inclusiva.
Para além do espaço escolar, estamos aumentando o prêmio exploreCSR para outras 16 universidades, com o objetivo de combater a desigualdade racial na pesquisa e na academia na área de ciência da computação. Vamos apoiar ainda a iniciativa Black in AI (Negros na Inteligência Artificial) com US$ 250 mil voltados para aumentar a representatividade da comunidade Negra nesse campo.
Todas essas inciativas se juntam a outros projetos do Google em educação: CodeNext, que apoia a próxima geração de líderes tecnológicos Negros e Latinos, e TechExchange, uma parceria com faculdades e universidades historicamente negras e instituições que atendem à comunidade hispânica – entre muitos outros projetos. O objetivo dessas parcerias é trazer alunos para um período de quatro meses no Google Campus, durante o qual eles estudarão assuntos como gestão de produto e aprendizado de máquinas.

Apoio à organizações que lutam por justiça racial

Continuamos também apoiando organizações que trabalham pelo avanço da reforma do sistema judiciário. No início de junho, o Google.org comprometeu mais US$ 12 milhões a essa causa – além dos US$ 32 milhões que já haviam sido investidos desde o tiroteio em Charleston, há cinco anos. A próxima rodada de doações, cada uma no valor de US$ 1 milhão, vai para o Leadership Conference Education Fund, para a Campanha de Reforma Política de Defesa Jurídica e Financiamento Educativo da NAACP (Associação Nacional para o Avanço dos Negros) e para o Movement for Black Lives. Criamos ainda uma página para doações públicas que vai ajudar a arrecadar ainda mais recursos para organizações que combatem o racismo e a desigualdade. Pensando no futuro e na importância de reconhecer que o racismo é um problema em todo o mundo, vamos centrar esforços em soluções globais e oferecer doações a organizações locais, de modo a enfrentar essa questão também no Brasil, na Europa e nos países da África.
Eu gostaria de encerrar agradecendo a todos os Googlers que se uniram para coordenar esse trabalho. Eles incluem nossa Diretora de Diversidade, Melonie Parker, a equipe de Participação dos Funcionários, o Escritório de Gestão de Projetos de Igualdade (que trabalha com o Grupo de Consultoria sobre Liderança Negra e com a Rede de Black Googlers) e todos os que contribuíram com ideias sobre como criar um ambiente de trabalho mais igualitário – e, consequentemente, oferecer produtos ainda melhores para todo o mundo.
Sundar Pichai, CEO do Google e da Alphabet