Acesse o menu principal
Blog do Google Brasil
Google News Initiative

5 fundadoras de veículos jornalísticos que você deve conhecer

Desenho de um grupo de mulheres com computadores trabalhando

Quem conta a história também é importante - é por isso que a Google News Initiative é tão dedicada a diversificar quem relata os fatos nos veículos de comunicação. Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher e ao Mês da História da Mulher, conversamos com algumas das incríveis empresárias do setor de notícias, com as quais fazemos parceria pelo GNI Startups Lab em todo o mundo. E aqui estão cinco fundadoras mulheres em notícias que você deve conhecer:

Kara Meyberg Guzman, Califórnia, EUA – CEO/Cofundadora da Santa Cruz Local e membro do conselho do Tiny News Collective

Esta é uma foto de uma mulher com uma jaqueta branca na frente de um fundo preto com os braços cruzados.

Kara Meyberg Guzman - CEO/Cofundadora, Santa Cruz Local

Em 2019, Kara Meyberg Guzman ajudou a lançar a redação da Santa Cruz Local para ajudar a preencher a necessidade de notícias profundas e precisas sobre o governo local. Antes, Kara Meyberg Guzman foi editora-gerente do Santa Cruz Sentinel – a primeira mulher não branca a ocupar o cargo. Um movimento notável que ela supervisionou foi ajudar a produzir guias eleitorais locais de 2020 em inglês e espanhol para melhor servir as pessoas em sua comunidade.

“Sou movida por duas questões que acho que estão relacionadas: como tornamos as redações locais sustentáveis? Como atendemos comunidades que normalmente não são ouvidas pela mídia local?” questionou Kara. Cerca de 700 moradores do condado de Santa Cruz agora apoiam o Santa Cruz Local por meio de uma associação paga. “Sinto-me muito sortuda por servir a comunidade que amo. Tenho a oportunidade e o privilégio de construir uma redação sobre nossos valores e princípios”, acrescentou.

Esta é uma foto de três indivíduos ao redor de uma mesa e microfones.

Os funcionários da Santa Cruz Local Natalya Dreszer, Kara Meyberg Guzman e Stephen Baxter gravam um episódio do podcast Santa Cruz Local. (Jacob Meyberg Guzman - Santa Cruz Local)

Micaela Arbio Grattone, Argentina – Co-diretora de Feminacida

Micaela é a fotógrafa e jornalista que codirige o Feminacida, site focado em notícias sob medida para mulheres que ela e a cofundadora Agustina Lanza fundaram em 2018. “O mais desafiador de ser fundadora do Feminacida é ter criado essa mídia do zero. Não sabíamos como fazer, éramos apenas duas pessoas”, disse Micaela. “Feminacida nasceu nos corredores de uma universidade e hoje atinge pessoas de todo o país”, complementou.

Esta é uma foto de mulheres posando juntas usando máscaras.

Integrantes do Feminacida fazendo cobertura de imprensa durante os debates parlamentares para aprovar o projeto de lei do aborto em 2020.

Micaela é a fotógrafa e jornalista que codirige o Feminacida, site focado em notícias sob medida para mulheres que ela e a cofundadora Agustina Lanza fundaram em 2018. “O mais desafiador de ser fundadora do Feminacida é ter criado essa mídia do zero. Não sabíamos como fazer, éramos apenas duas pessoas”, disse Micaela. “Feminacida nasceu nos corredores de uma universidade e hoje atinge pessoas de todo o país”, complementou.

O que Micaela acha mais gratificante em seu trabalho é o fato de ela consegue promover uma nova forma de pensar sobre a atualidade. “Fazemos este trabalho com a forte convicção de que lutamos pela igualdade e para melhorar a vida das pessoas. O mais emocionante é ver como Feminacida impacta diretamente as noções das pessoas sobre questões atuais.”

Carolina Oms, Brasil – cofundadora da AzMina

Foto de uma mulher segurando um telefone na frente de uma rua.

Carolina Oms, Brasil – cofundadora da AzMina

Carolina, juntamente com as co-fundadoras Helena Bertho e Thais Folego, estão focadas no combate à desigualdade de gênero por meio do AzMina, um site de notícias e rede de apoio.

“No Brasil, as mulheres sempre foram empreendedoras por necessidade. Mas eles fizeram isso sem a rede que os homens fazem – tendo que trabalhar em casa, sem acesso a financiamento e com mais chances de ver seus empreendimentos morrerem por falta de renda”, diz ela.

Foto de mulheres em uma mesa com laptops.

As mulheres da AzMina no trabalho.

O que move Carolina é ver a diferença que a AzMina faz no dia a dia das brasileiras. “Começamos com trabalho voluntário e hoje empregamos 20 mulheres em tempo integral, temos múltiplas fontes de receita e um modelo de negócios sólido e inovador. Tudo isso é realmente motivo de orgulho. Precisamos que as mulheres vejam que isso pode funcionar e se sintam inspiradas a criar seus próprios formatos.”

Bhanupriya Rao, Índia – fundador da BehanBox

Foto de uma mulher sorrindo usando óculos na frente de um fundo claro

Bhanupriya Rao – fundador da BehanBox, com sede na Índia

Bhanupriya tem sido uma pesquisadora independente, e jornalista, escrevendo sobre gênero, governo e justiça social na Índia. “Há muito tempo acredito que as notícias excluem mulheres e pessoas com diversidade de gênero, tanto no conteúdo quanto na produção”, disse ela.

Bhanupriya fundou a BehanBox em 2020 para centralizar as vozes e questões de mulheres e pessoas com diversidade de gênero para torná-las participantes iguais na democracia da Índia.

“Nossa reportagem crítica aprofundada, baseada em dados e baseada em evidências, do nível local ao nacional, está destacando várias formas de desigualdade e desigualdade, o que está forçando a grande mídia e os formuladores de políticas a prestar atenção.” O maior desafio? “Convencer os opositores de que reportar sobre gênero é notícia e precisa de investimento”, explicou.

Uma colagem de todos as repórteres do BehanBox que têm trabalhado diligentemente sobre questões de gênero na Índia.

Uma colagem de todos as repórteres do BehanBox que têm trabalhado diligentemente sobre questões de gênero na Índia.

Bhanupriya permanece motivada pelas mudanças reais que vê acontecendo. “Através de reportagens investigativas sobre como o estado indiano está falhando com os profissionais de saúde, ou expondo a cumplicidade do principal instituto técnico da Índia em relação à violência de gênero, estamos responsabilizando nossas instituições”, destacou ela. “Nossas histórias sobre mulheres marginalizadas – seja por deficiência, casta, religião – tentam expor lacunas e mostrar como políticas e leis precisam ser reformuladas e melhor implementadas.”

“Sempre que ouço sobre nossas histórias influenciando mudanças políticas em tempo real e criando impacto, isso nos leva a permanecer firmes em nossa missão”, acrescentou.

Masuma Ahuja, Reino Unido – fundador da Girlhood

Foto de uma mulher na frente de um fundo frondoso.

Masuma Ahuja – fundadora da Girlhood, com sede no Reino Unido

Em 2021, Masuma, que já havia trabalhado para a CNN e o Washington Post, escreveu um livro documentando a vida de adolescentes em todo o mundo. Isso se tornou a plataforma de lançamento do Girlhood, um site desenvolvido pela comunidade para meninas que contam suas histórias.

“Esse tipo de espaço não existia quando eu era criança, e espero que mais garotas possam se ver refletidas nas histórias que publicamos no Girlhood”, disse Masuma.

“Penso muito sobre o poder das narrativas e das histórias – as histórias que contamos a nós mesmos, as histórias que moldam nossas culturas e comunidades, as histórias codificadas em nossos livros didáticos. Há tanto espaço, tanto potencial e tanta necessidade de que as vozes das meninas sejam incluídas em todos esses lugares!”

A parte mais difícil de seu trabalho é que ela não vê muitos modelos parecidos por aí. “Como mulher não branca, como imigrante que está construindo algo que é inerentemente internacional e centra as meninas, e como fundadora de startups em geral, não tenho necessariamente um caminho bem trilhado a seguir.”

Para saber mais sobre o trabalho da Google News Initiative e nossos parceiros de notícias, visite newsinitiative.withgoogle.com.